O poder da educação

Edgar Morin disse que “A educação deve ser um despertar para a filosofia, para a literatura, para a música, para as artes. É isso que preenche a vida. Esse é o seu verdadeiro papel”. Referia-se em concreto ao papel que a educação desempenha ou deveria desempenhar no crescimento das crianças.

Desde sempre que diferentes autores se debatem com o poder da educação a par das diferentes marcas que os vários governos e autarcas querem deixar na elaboração e prossecução das politicas publicas no âmbito da educação. Para além das doutrinas cientificas e da jurisprudência política existe a vox populis que dá cada vez mais relevância ao poder da educação.

A importância que se tem vindo a dar à educação está diretamente relacionada com o facto de ser o maior poder de transformação que existe na sociedade civil transversal a todas as culturas e a todas as realidades sociológicas. Há quem, erradamente, estude e analise a educação do ponto de vista de uma transação que existe na partilha do conhecimento entre o educador/professor e o estudante. Nada mais errado.

A educação é o que de mais especial existe porque dá as ferramentas para sonhar e desejar mais. Se de uma mera transação estivéssemos a falar a mesma começaria e terminaria no momento em que se transmitissem as aprendizagens. Ao invés, o poder de transformação da vida humana faz com que o poder da educação seja incomensurável e inesgotável.

Se todos tiverem acesso à educação o risco de caírem na exclusão social e na pobreza diminui drasticamente. A possibilidade de conseguirem um emprego digno é proporcional ao nível de educação formal que se atinge no sistema educativo e por isso é que se faz um enorme esforço para aumentar o nível de escolaridade da população pois embora existam pessoas com o ensino superior que estão na pobreza esse número é muito baixo quando comparados com as pessoas que têm o 9.º ano e que estão na pobreza.

Para além disso, a saúde mental e o bem-estar também estão diretamente relacionados com o nível de estudos. Por isso, a quase obsessão dos sucessivos governos em conseguir que o Orçamento de Estado consigne uma percentagem razoável à educação e sabemos que essa meta nunca é suficiente porque a ambição anual choca com os recursos escassos existentes no nosso país. Mas talvez se todos olhássemos para a educação como a ferramenta adequada para aumentar o crescimento económico, a inclusão e a igualdade, bem como permitir a todos encararem o futuro com otimismo e confiança, talvez aumentassem a dotação orçamental e transmitissem ao Povo a crença publica que o poder da educação é de tal maneira forte que Portugal só será moderno, plural e competitivo quando a maioria da sua população tiver formação superior e o analfabetismo for estatisticamente irrelevante.

Consulte o artigo na íntegra

Outras Notícias

Certificado Acreditação – Erasmus +

É com bastante orgulho e satisfação que o Externato Alvares Cabral – Grupo Ensinus e Ensinus Estabelecimentos de Ensino Particulares, anuncia que recebeu o Certificado Acreditação Erasmus +. Juntos Somos Mais Fortes!

Futurália 2022

O EAC esteve presente na Futurália 2022! Foram quatro dias incríveis de trocas de experiências e conhecimentos com todos os que nos foram visitar! Foi sem dúvida uma oportunidade única onde se conheceu mais sobre a EAC e sobre todas as possibilidades que podes...

TOGETHER FOR UKRAINE

Campanha de angariação de apoio monetário aos 100 Refugiados acolhidos pelo GRUPO ENSINUS, nas Instalações da Escola de Comércio de Lisboa, nos dias 26 e 27 de Março, precedente ao encaminhamento para as diversas famílias de apoio no processo de longo acolhimento. Na...

ELEIÇÃO PARA OS ÓRGÃOS SOCIAIS DA AEEP

Decorreu, hoje, a Reunião da Direção da AEEP – Associação de Estabelecimentos de Ensino Particular.Em paralelo deu-se lugar ao respetivo momento da Eleição para os Órgãos Sociais da AEEP, para o Triénio 2022-2025. A Senhora Administradora do Grupo Ensinus e Membro da...

×

Olá!

Contacte-nos pelo WhatsApp

× 918185162